colaboradores

BERNARDO
18 anos, RJ
+ info

NARA
16 anos, SP
+ info

LUDEN
15 anos, SP
+ info

SAM
16 anos, SP
+ info

VITOR
18 anos, RJ
+ info

LIZ
15 anos, RJ
+ info

NAT
17 anos, SP
+ info

GABO
16 anos, SP
+ info


Previous Posts

a r q u i v o s

  • Janeiro 2005
  • Fevereiro 2005
  • Março 2005
  • Abril 2005
  • Maio 2005
  • Junho 2005
  • Julho 2005
  • Setembro 2005
  • Outubro 2005
  • Novembro 2005
  • Dezembro 2005
  • Janeiro 2006
  • Fevereiro 2006
  • Março 2006
  • Abril 2006
  • Maio 2006
  • Junho 2006
  • Julho 2006
  • Agosto 2006
  • Setembro 2006
  • Outubro 2006
  • Novembro 2006
  • Dezembro 2006
  • Janeiro 2007
  • Fevereiro 2007
  • Março 2007
  • Abril 2007
  • Maio 2007
  • Junho 2007
  • Julho 2007
  • Agosto 2007
  • Setembro 2007
  • Outubro 2007
  • Novembro 2007
  • Dezembro 2007
  • Janeiro 2008
  • Fevereiro 2008
  • Março 2008
  • Abril 2008
  • Agosto 2008
  • Setembro 2008

  • L    i    n    k    s

  • Google News
  • Rock Town Downloads!
  • ~Daia.no.Sakura
  • Young Hotel Foxtrot
  • É Rock And Roll, Baby
  • Musecology
  • O Resenhista
  • Dangerous Music No Orkut

  • B    U    S    C    A


    L i n k    U s




    c r e d i t o s

    Powered by Blogger
    Design by Nara

    sexta-feira, janeiro 05, 2007
    Música sentimental é música ruim? Um questionamento sobre o emo.

    (Matéria feita em conjunto por Ber, Sam e Vitor)


    Surgido em meados da década de 80 no circuito underground americano, a designação emo muito provavelmente já tem mais de vinte anos; porém, o rótulo, há aproximadamente três anos tomou o mundo de assalto, com bandas de sonoridade punk utilizando-se de letras sentimentais, assim como o Buzzcocks fez pela primeira vez há quase 30 anos atrás. Porém, os mesmos 20 anos também mostraram que esse não é um termo apenas agrupador, mas pejorativo na maioria das vezes.

    Falar de sentimentos virou motivo de discriminação entre as tribos do rock nos dias de hoje. Ora, Elvis cantava sobre o amor. Os hippies dos anos 60 clamavam "Faça amor, não faça guerra". E o porquê de tal preconceito nos dias de hoje, ninguém sabe explicar. É como o apartheid na África. Se somos todos iguais e se o Rock tem como objetivo alcançar a liberdade por meio da destruição das barreiras do senso comum, não estamos sendo muito hipócritas quanto a isso?

    O movimento ganhou força no Brasil na primeira metade da primeira década do século XXI, lançando pelo país banda que falam sobre o que muita gente tem vergonha de expressar (uma coisa totalmente idiota, ao meu ver). Em 1999 o Los Hermanos lançam um disco que é um ska-emocore daqueles que você não cansa de ouvir. É fato que os fãs da banda causariam um apocalipse sobre sua cabeça se você afirmar isso da banda, mas não dá pra fugir da realidade. A banda é uma das precursoras do estilo no Brasil, mas agora aposta mais num estilo intelctual, fazendo harmonias para encantar a elite estudantil brazuca. Seguindo em frente, hoje temos como maiores ícones do emocore brasileiro bandas como Fresno e Dance Of Days, duas ótimas bandas que são muito discriminadas por falar do que é mais comum num ser humano.

    Vale lembrar, que o preconceito contra o emo não é, propriamente, algo inédito. É só retrocedermos um pouco no tempo e analisarmos o início dos anos 70, quando o Glam Rock de David Bowie, T. Rex, Slade, Sweet, Gary Glitter e Suzi Quatro invadiu as paradas, desbancando os já consagrados Beatles e o rock pesado de Black Sabbath, Led Zeppelin e Deep Purple. Ora, o estilo e seus fãs foram extremamente discriminados por usarem maquiagem, ter um estilo andrógino e colorido e incentivar o comportamento bissexual.

    E hoje, o mesmo estilo tão recriminado na epoca é considerado pelos saudosistas (que a maioria, a bem da verdade, nem chegou a vivenciar a época para sentir saudades da mesma), é considerado algo fenomenal, marcante, um momento único na história do rock and roll; será que se eles vivessem nos anos 70 e curtissem as pancadarias do Led e do Sabbath eles gostariam de caras maquiados e bissexuais? Os mods - fãs de The Who e os rockers - fãs dos Beatles passaram a década de 60 inteira saindo na pancada para provar qual banda é a melhor. E hoje em dia, quem gosta de Beatles, gosta de de The Who. Quando, em algum momento, os odiadores de emo pararam algum instante para pensar nisso, que o seu precioso e unificado rock está cheio de feridas causadas tão somente por um preconceito desnecessário?

    Mick Jagger, no final da década de 60 e no início da década de 70, não havia adotado uma postura andrógina, cheia de trejeitos que fez muitos na época desconfiarem da sua sexualidade? E quem não conhece o affair dele com David Bowie? Axl Rose, vocalista do Guns 'n' Roses, já disse em entrevistas que certa vez que foi discriminado na escola por gostar de Rolling Stones, já que Mick Jagger havia beijado o guitarrista Keith Richards em um programa de televisão.

    Se pararmos para analisar, as bandas de metal melódico também falam de romances, ainda que sejam totalmente enfeitados, idem sobre as bandas de hard rock, essas sim possuem letras piegas e mela cueca. É mais sensato dizer que o Sebastian Bach era mais corno que o Pierre do Simple Plan, por exemplo. O mais estranho de todo esse ódio é que boa parte vem dos "punks" revoltados com o que o som raiz deles se tornou (na verdade, nem deles é, os caras fazem um moicano, colocam uma jaqueta e já se acham muito anarquistas). A verdade é que os próprios emos são bem mais punks que muitos que se auto intitulam só por ter um moicano de três metros. Defendem a liberdade de expressão e sentimentos, logo, são basicamente livres de preconceitos em sua maioria, já os metidinhos a punks parecem odiar emos, gays e qualquer um que use maquiagem, pinte o cabelo e etc. Porra, cara, o Iggy Pop usava maquiagem e nunca deixou de ser foda, por que com os emos tem que ser diferente? Medo de perder a pose de fodão? Sinceramente, se esses são os punks que sobraram, o movimento está definitivamente MORTO.

    Lá fora, bandas como Rufio, The Used, Dashboard Confessional, e até mesmo os post-hc de Funeral For A Friend, From First To Last e Saosin são também bandas que os emos brazucas levam consigo na cabeça. E olha que lá fora o movimento nem é tão discriminado como aqui no Brasil. Ah, sim, o Brasil é o país da liberdade, já ia me esquecendo. Aqui não há preconceitos e nem nada.

    O modo de se vestir de um emo faz com que nenhum outro indivíduo possa optar por escolher um corte de cabelo semelhante a um adepto do movimento que já é adjetivado como EMO. Se você quer fazer uma franja, você é emo. Se quer pintar seu cabelo de verde, é emo. Se quer usar um cinto de rebites e quadricular seu all star, é emo. Tá certo que o visual emo tem um pouco de cada estilo, mas rotular de mau grado aqueles que usam porque lhe convém um colar de bolinhas preto e branco é muita falta de bom senso. E esse papo de “modinha” já ultrapassado, pois se você olhar no Orkut vai achar mais comunidade anti-emo do que comunidades do próprio movimento. E a modinha é de quem mesmo?

    O preconceito com o emocore já se tornou mais moda que o próprio estilo, levando a casos que incluem até homofobia. É mais fácil dizer que esse ódio gratuito contra os emos é apenas para não ser o "bicha" da turma e ser mais um no circulozinho social nojento que tantos grupinhos de adolscentes fazem. Ora, se odeiam emos apenas por serem sensíveis e, às vezes bi ou homo, por que não odiar metaleiros, indies e góticos? Todas essas tribos urbanas citadas são piores que os emos, possuem o ego inflado demais, se acham pelo fato de ouvirem metal ou bandinhas fundo de garagem e etc. Sinceramente, uma puta demonstração de hipocrisia concentrada nos adolescentes. Pior ainda, criticar a música que o emo gosta, mesmo muitas vezes nem sendo o emocore de raiz ou coisa parecida, muitas vezes sendo o post-hc, o screamo ou o pop punk - para tornar uma coisa mais fácil de odiar, os revoltadinhos "mamãe quero ser cool" embalaram tudo em um único pacote e jogaram na fogueira.

    “No início, era legal sermos identificados como referência do emo no Brasil. Mas, hoje em dia, virou algo pejorativo. Qualquer grupo que não fale de maconha, de putaria ou de política é emo. Qualquer um que fale de amor é chamado de emo” Lucas, vocalista do Fresno.

    Marcadores:

    posted by billy shears at 5:06 AM

    9 Comments:

    Anonymous Marina disse:

    Preconceito contra emocore é uma coisa MUITO tosca.
    Okay, muita gente nao gosta de emocore, mas esse preconceito tá quase maior que a propria moda emo.

    4:37 PM  
    Anonymous vinicius disse:

    que post polêmico!
    hahaha

    bom, eu acho ridículo alguém ser "emo", porém hoje acho que ser "emo" não é nem um pouco mais ridículo do que ser "metaleiro", ou "indie" ou qualquer estilo do rock...
    Na verdade todas esss "tribos" têm algumas características horríveis, além de serem fechadas demais e se auto-observarem como melhores entre o círculo adolescente..
    O bom é que conforme as pessoas crescem elas se afastam desses verdadeiros esteriótipos... e o ruim é que muitas pessoas ainda continuam neles..

    Mais especificamente falando do estilo "emo", pelo menos no que eu observo, vejo que a maioria dessas pessoas tem no máximo 15 anos... e usam o estilo para conquistarem alguma popularidade na escola ou na cidade, beijar algumas garotas ou garotos, se dizer rebelde para a mãe( não sei como, já que não consigo enxergar nenhuma ideologia no movimento), e sair beber ...
    Para mim, parece ser o reflexo de uma geração sem ideais, providas de uma sociedade cada vez mais neo-liberal..

    Ainda pior que isso são as reações anti-emo... embasadas em proconceito e em ideais que são nocivoa à propria sociedade, como por exemplo a homofobia..

    isso é um pouco do que eu acho... pela observação, talvez insuficiente, que eu tenho do movimento... e realmente não vejo um cenário positivo..

    quanto a música, eu pessoalmente não gosto, pelo pouco que ouvi já tirei essa conclusão. Bandas como Dance of days até não tenho muita aversão, mas pro meu gosto eu acho ridículo alguém com seus 20 ou 30 anos ficar imitando voz de nenê nas músicas, como algumas bandas que eu nem sei o nome haha

    é isso e parabéns pelo post, que levantou uma importante discussão e falou grandes verddes sobre a onda "anti-emo" e sobre a temática do amor dentro do rock.

    5:09 PM  
    Anonymous mraya disse:

    uhhh!!
    particularmente nao tenho nada contra emo emo, nao gosto das musicas que ouvi, isso eh gosto meu. mas nao discrimino o jeito deles, mt menos o fato da 'homossexualidade' e acho o estilo de vestir bonitinho XD
    eu sou contra é o poser[ism] de alguns deles e tb o 'miguxes' q me irrita... ok a moda eh odiar emo, mas tem 'emo' q eh poser e eu nao gosto desse poser[ism] dessas pessoas q querem ser webcelebridades e isso tem em todo estilo...

    PENA que vc não está no mundo jmusic... ta acontecendo uma quebra parecida nele... entre pessoas que gostam de musica de anime e as q gostam de jrock/visual kei... que sao bandas q tem visual inspirado nessas que vc disse q usavam make up... nao sei explicar mt bem... o ponto eh q jrockers estao sendo chamados de emos e gays (do modo pejorativo) por usarem maquiagem... nao gostar da musica td bem, mas RESPEITO! criaram ate um topico numa comunidade de evento de jmusic dps d um dos eventos realizados (nome do evento era b-jep): "b-jep, gay-jep ou emo-jep?" e o topico era todo XINGANDO as bandas que se apresentaram... eu nao disse q o cara disse q nao gostou da musica ele XINGOU a banda...
    brasileiro é idiota. e cinico. e tenho dito.

    5:43 PM  
    Blogger Carmem Luisa disse:

    Falar de sentimentos é comum entre os adolescentes, oras, já que muitos estão tendo os primeiros relacionamentos sexuais, amorosos e tendo uma vida social diferente da que tinham quando eram crianças.
    Mais uma velha história se repetindo, e adolescentes perdendo o tempo com discussões bobas sobre "meu estilo musical é melhor que o seu e eu sou f*", ao invés de abrirem os olhos para novas visões. Enfim, é a babaquice enlatada engolimos, muitas vezes, deixando passar sem nem ao menos criticá-la.
    Odiar emos virou até mesmo um ato de homofobia. Em um país tão cheio de diferenças e em um país onde tudo acaba virando festa, o sentimento de ódio se manifesta, deixando acéfalos os que ainda pensam que sabem tudo. Palmas para a platéia, tomates jogados ao palco e as cortinas se fecham para um novo espetáculo grotesco.

    11:27 PM  
    Anonymous Gabriel disse:

    Abomino pessoas que usam rótulos como "filosofia de vida". Apenas isso.

    Mas tendo a concordar que a moda anti-emo tá maior que o próprio emo...

    11:40 PM  
    Blogger abacaxi disse:

    tem que colocar los hermanos no meio né?
    ENFIM ¬¬'

    eu acho palhaçada o preconceito todo O.o'
    aliás qualquer precnceito é palhaçada, gente que não tem informação.
    ;*

    11:40 PM  
    Anonymous filipe disse:

    Porra, muito bem escrito. O post inteiro foi excelente, mas as comparações histórias foram geniais. É o que provavelmente ocorrerá daqui a alguns anos. A richa será esquecida, espero.

    "E esse papo de “modinha” já ultrapassado, pois se você olhar no Orkut vai achar mais comunidade anti-emo do que comunidades do próprio movimento. E a modinha é de quem mesmo?"

    Exato. O mais ridículo é o pessoal falando "nossa, odeio EMOdinha", fazendo alguma piada idiota envolvendo emos e homossexualismo, só pra causar alguns risos em seus amigos sem cérebro. Deprimente.

    o/

    2:26 AM  
    Anonymous Hugo disse:

    Este post está bem escrito.Além de tudo, levantou muita polêmica o.o
    Só há um problema:
    Vocês me excluíram u.ú
    AUHEAUHEUHAE

    12:04 PM  
    Anonymous Ruben (Portugal) disse:

    ate que enfim um blog que tenha alguma coisaa verdadeira sobre os emos e o que os rodeia :)


    Gostei ^^^

    2:16 PM  

    Postar um comentário

    << Home

    _______________________________