colaboradores

BERNARDO
18 anos, RJ
+ info

NARA
16 anos, SP
+ info

LUDEN
15 anos, SP
+ info

SAM
16 anos, SP
+ info

VITOR
18 anos, RJ
+ info

LIZ
15 anos, RJ
+ info

NAT
17 anos, SP
+ info

GABO
16 anos, SP
+ info


Previous Posts

a r q u i v o s

  • Janeiro 2005
  • Fevereiro 2005
  • Março 2005
  • Abril 2005
  • Maio 2005
  • Junho 2005
  • Julho 2005
  • Setembro 2005
  • Outubro 2005
  • Novembro 2005
  • Dezembro 2005
  • Janeiro 2006
  • Fevereiro 2006
  • Março 2006
  • Abril 2006
  • Maio 2006
  • Junho 2006
  • Julho 2006
  • Agosto 2006
  • Setembro 2006
  • Outubro 2006
  • Novembro 2006
  • Dezembro 2006
  • Janeiro 2007
  • Fevereiro 2007
  • Março 2007
  • Abril 2007
  • Maio 2007
  • Junho 2007
  • Julho 2007
  • Agosto 2007
  • Setembro 2007
  • Outubro 2007
  • Novembro 2007
  • Dezembro 2007
  • Janeiro 2008
  • Fevereiro 2008
  • Março 2008
  • Abril 2008
  • Agosto 2008
  • Setembro 2008

  • L    i    n    k    s

  • Google News
  • Rock Town Downloads!
  • ~Daia.no.Sakura
  • Young Hotel Foxtrot
  • É Rock And Roll, Baby
  • Musecology
  • O Resenhista
  • Dangerous Music No Orkut

  • B    U    S    C    A


    L i n k    U s




    c r e d i t o s

    Powered by Blogger
    Design by Nara

    domingo, julho 03, 2005
    Slayer-Hell Awaits



    “Não basta apenas falar o nome, é preciso gritá-lo” - Tom Araya se referindo ao Slayer.

    A frase de Tom Araya diz tudo, eu costumo falar que para entender a devoção dos fãs, só escutando, a não ser que você já seja um fã devotado, como eu sou, para muitos Slayer não é só uma banda, é uma religião. Slayer é uma das bandas pioneiras do Thrash Metal e uma das principais influências para o surgimento do Death Metal, por fazer um som fora do comum da Bay Área, um som mais insano e mais brutal, com criticas voltadas principalmente a Igreja. Eu posso concluir sem dúvida que Slayer é uma das melhores, ou a melhor banda de Thrash de todos os tempos pelo o que a banda já fez ao Thrash Metal e por sempre se manter no estilo. Lançando álbuns históricos como Show No Mercy, Reign In Blood, Seasons In Abyss e revelando um dos mais geniais bateristas de metal Dave Lombardo e uma das melhores duplas de guitarras do metal Kerry King e Jeff Hanneman, sem falar de um dos vocalistas/baixistas mais cativantes Tom Araya.

    A resenha é de um álbum dos tempos de ouro da banda, o Hell Awaits, o segundo álbum sem contar com o LP Haunting The Chapel, formação clássica e atual com Tom Araya no baixo e vocal, Kerry King e Jeff Hanneman nas guitarras, Dave Lombardo (esse aí é certeza que a mãe dele é uma bateria) na bateria. Vamos a seção paulera, do melhor Thrash Metal.

    Hell Awaits, olha vou ser sincero, eu nunca ouvi uma abertura de um álbum tão perfeito quanto Hell Awaits, uma das melhores aberturas de álbum de todos os tempos, tá certo que Angel Of Death, South Of Heaven abrem bem o Reign In Blood e o South Of Heaven respectivamente, mas a Hell Awaits mostram com tudo o que é Slayer pelos ingredientes da introdução. Entraria fácil na lista das melhores composições da banda e do Thrash Metal em geral. A faixa começa com uma seção “demoníaca”, uma espécie de ritual exorcista, ou satânico, que começa bem baixinho e vai aumentando, até surgir as guitarras e as memoráveis batidas de Dave Lombardo, vai tendo uma melodia e de repente, aquela famosa paradinha e um riff estrondoso entra na sua cabeça, não tem como explicar, o riff te possui. O vocal de Araya é insano, às vezes até parece que o demônio que está cantando, o refrão não tem um ser vivo que não canta junto e se arrepia com a fusão do riff estrondoso com o urro “Hell Awaits”, marcante, chocante, clássico absoluto do Slayer.

    Kill Again começa também com aquelas introduções instrumentais com os bumbos de Dave, e as guitarras com melodias entrosadas e empolgantes, mostrando o belo trabalho de Jeff e K. King, além do baixo ser bem marcante acompanhando as guitarras e segue pra famosa paradinha onde fica só a guitarra, e vem outro daqueles riffs de arrbentar a casa inteira e urrar Slayer com todas as forças, o refrão é rápido no vocal do Tom Araya e há os famosos gritos dele também, além do solo ser ótimo. Excelente.

    At Dawn They Sleep já não tem aquelas aberturas instrumentais grandes, ela começa cheia de groove e algumas vezes ganha uma velocidade boa, com poucas variações nas bases e com um solo fritador de King, e o entrosamento do baixo com a guitarra é muito legal. A faixa fica devastadora, destruidora com a base e o solo muito speed, além de ter no final um solo de bateria de Dave Lombardo mostrando o que esse monstro seria na bateria e que muita destruição estaria por vir com ele no Slayer.

    Praise Of Death começa sem descanso já pegando o pique da faixa anterior, com aqueles riffs clássicos do Slayer que você não para de bater cabeça, quase involuntário o movimento, a música tem varias paradinha e uma legal é deixando só o baixo soar, a faixa segue no melhor do grupo, e com um trabalho muito bom nos bumbos de Dave Lombardo, depois de um solo, você pensa q a faixa acabou, onde fica só um barulhinho de distorção e do nada ela volta pra paulera que estava. Slayer clássico, demolição do inicio ao fim.

    Esta faixa muitos fãs consideram como outro hino da banda, Necrophiliac é outra faixa onde a dupla Kerry e Jeff mostra que são como chave e fechadura, como são entrosados, riffs simples que contagiam são a principal característica da faixa, além das viradas bem trabalhadas de Dave Lombardo, e como não pode faltar sempre tem as seções de descer o pau e de ficar descontrolado! Muito boa mesmo.

    Volta com as introduções instrumentais com Crypts Of Eternity e segue com riffs sólidos e as viradas seguidas de pedal duplo de Dave Lombardo, além das quebras de tempo que dão um charme para muitas músicas do Slayer além desta, até chegar em um riff empolgante cercado de viradas e a letra cantada com intensidade por Tom Araya. A faixa varia muito e não deixa de ser um minuto empolgante, com solos simples mais muitos deles, devastação.

    Ah cara, eu não agüento, não posso escutar isto muitas vezes no dia, pois senão eu acabo tendo um troço, é muito empolgante, Hardening Of The Arteries fecha o álbum com todo mérito, com toda a destruição que Slayer proporciona, riffs e solos extremamente rápidos, bateria frenética, o vocal de Tom Araya insano, e no final da faixa há um encerramento bem no estilo em que se iniciou o álbum, com aquelas batidas marcantes de Dave Lombardo e as guitarras com os riffs arranhando no estilo de Hell Awaits.

    O álbum tem apenas 7 músicas sim, mas mesmo tendo só 7 músicas, é recomendável não escutar este álbum 2 vezes por dia, pois você pode ficar enlouquecido de tanto bater cabeça, que seus miolos podem ser estourados por Kerry King, este que por outro lado deve ser a encarnação de Satan (hehehehe) e companhia. Hell Awaits é obrigatório em qualquer coleção, e não hesite em levar ele pela quantidade de música, pois todas as músicas, sem exceção, são excelentes e hinos do Slayer, alias não hesite em levar nada do Slayer, até o Diabolus In Musica é bom dar uma conferida, apesar de não ser tão bom quanto os outros. Eu diria mais, muitos falam que o Reign In Blood é o auge do Slayer, eu digo o contrário, o Slayer teve seu auge depois do lançamento do Hell Awaits, foi um álbum essencial para o fortalecimento da banda e para lançamento da famosa trilogia Reign In Blood, o divisor de águas South Of Heaven, e o Seasons In Abyss. Letras de crítica forte e cozinha imbatível, são sem dúvida os reis do Thrash Metal e os reis da porradaria em forma de música.

    Termino com apenas um urro:
    SLAAAAAAAAAAAAAYERRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRR!

    Marcadores:

    posted by Dark at 8:09 PM

    _______________________________