colaboradores

BERNARDO
18 anos, RJ
+ info

NARA
16 anos, SP
+ info

LUDEN
15 anos, SP
+ info

SAM
16 anos, SP
+ info

VITOR
18 anos, RJ
+ info

LIZ
15 anos, RJ
+ info

NAT
17 anos, SP
+ info

GABO
16 anos, SP
+ info


Previous Posts

a r q u i v o s

  • Janeiro 2005
  • Fevereiro 2005
  • Março 2005
  • Abril 2005
  • Maio 2005
  • Junho 2005
  • Julho 2005
  • Setembro 2005
  • Outubro 2005
  • Novembro 2005
  • Dezembro 2005
  • Janeiro 2006
  • Fevereiro 2006
  • Março 2006
  • Abril 2006
  • Maio 2006
  • Junho 2006
  • Julho 2006
  • Agosto 2006
  • Setembro 2006
  • Outubro 2006
  • Novembro 2006
  • Dezembro 2006
  • Janeiro 2007
  • Fevereiro 2007
  • Março 2007
  • Abril 2007
  • Maio 2007
  • Junho 2007
  • Julho 2007
  • Agosto 2007
  • Setembro 2007
  • Outubro 2007
  • Novembro 2007
  • Dezembro 2007
  • Janeiro 2008
  • Fevereiro 2008
  • Março 2008
  • Abril 2008
  • Agosto 2008
  • Setembro 2008

  • L    i    n    k    s

  • Google News
  • Rock Town Downloads!
  • ~Daia.no.Sakura
  • Young Hotel Foxtrot
  • É Rock And Roll, Baby
  • Musecology
  • O Resenhista
  • Dangerous Music No Orkut

  • B    U    S    C    A


    L i n k    U s




    c r e d i t o s

    Powered by Blogger
    Design by Nara

    sábado, dezembro 03, 2005
    Anthrax-Volume 8 - The Threat Is Real


    Uma das pioneiras do Thrash Metal, o Anthrax nasceu em 1981 em NY, sempre foi uma banda diferenciada das outras, com um thrash mais descontraído, com letras bem humoradas, a banda sempre se destacou por ser original, e o começo foi um pouco tumultuado, marcado por constante troca de vocalistas, dentre eles John Connelly, que mais tarde formaria o Nuclear Assault, teve Jason Rosenfiel, e Neil Turbin, com este gravando o primeiro álbum Fistful Of Metal, mas logo depois Neil Turbin deu lugar a Joey Belladona, o que marcaria a história do Anthrax, gravando os clássicos Spreading The Disease, Among The Living, State Of Euphoria e Persistence of Time, mas o Anthrax mais tarde sofreria outra mudança de vocais.

    Após o Persistence Of Time, Joey Belladona dá lugar para John Bush, e quando há uma troca de vocais em uma banda, nem sempre é bem recebida pelos fãs, grandes bandas já sofreram com isso e quer exemplo melhor que o Black Sabbath? Se tratando do Anthrax não foi diferente, o começo foi um tanto conturbado, 2 álbuns lançados e o Anthrax tinha mudado sua sonoridade, o Thrash da época de Belladona estava mais distante, e a banda começava a se preocupar um fazer metal, não se importando com o estilo, e depois de tantas dificuldades, lançaram o Volume 8 - The Threat Is Real, álbum que irei resenhar.

    Período dificil para a banda, o Anthrax sofreu com o Volume 8 pelo fato de ter escolhido a gravadora errada, a Ignition Records quebrou, e a divulgação do do Volume 8 foi por água a baixo, tempos dificeis que a banda conseguiu superar, o álbum foi composto por Charlie Benante na bateria e na guitarra, Sott Ian na guitarra, Frank Bello no Baixo, John Bush nos vocais, e a participação especial de Phil Anselmo, Vinnie Paul e Dimebag Darrell (R.I.P) e vamos então a resenha.

    O álbum começa destruindo tudo com a rapida Crush, riffs rápidos, linhas de baixo aceleradas e batera de Charlie Benante que parece trotar na sua cabeça, e no refrão o riff se arrasta e a batera cadencia, e o vocal de John Bush toma conta da música com um carisma que poucos vocalistas conseguem, realmente um inicio devastador, o mais legal é a segunda voz de Bush que ecoa em sua cabeça "crush on meee", uma faixa criativa e ideal para o inicio do álbum, a letra é sobre um certo ódio por alguém que cometeu um assassinato.

    Catharsis tem talvez o melhor refrão do álbum, faixa em que Charlie Benante pega as guitarras, a faixa é aquela que você pode ficar um bom tempo ouvindo sem parar, a distorção usada na guitarra é muito boa, faixa é simples mas é uma das melhores, pois é cativante, John Bush mostra uma vontade incrível, e o refrão toma conta da sua cabeça: "Angels In My Hearttttt, Devils In My eyesssss". Letra fala se não me engano, de uma pessoa se fazer dura, mais no fundo tem um grande coração. A música tem uma paradinha que dá destaque para as batidas e viradas da bateria, para depois voltar para o refrão hipnotizante!

    Inside Out é com Dimebag na guitarra e começa lenta, como se fosse uma balada, depois entra o riff moendo e a batera um pouco cadenciada, e a faixa volta a ficar cadenciada dando destaque pra bateria onde a guitarra apenas dá um charme, lembrando muito Helmet. Quando chega no refrão volta a guitarra pesada e John Bush soltando os berros "I Gotta Let Go, Gotta Let Go, Gotta Let Go, Yeah", sem dúvida a faixa que John Bush mais berra, o refrão há grande destaque para a guitarra, a letra fala sobre angústia e dor, e não sei se é impressão minha, mas há um clima de ódio e temor ao mesmo tempo na faixa, e tem um solo no final da música muito bom, essa é uma das melhores faixas da era John Bush!

    P&V ou Piss'n'Vinegar, Charlie volta para a guitarra e faixa começa com um groove muito bom, é como se a guitarra estivesse presa e vai depois se libertando para tomar conta no refrão, o interessante também da faixa é que há alguns toques da percussão, a música é para pular, e no meio da faixa tem uma seção de solo de guitarra e riff rápido para arrebentar tudo, no refrão há um espécie de revezamento entre o vocal limpo e o gritado de John Bush.

    Como não podia faltar do Anthrax uma letra engraçada, 604 é uma faixa bem humorada , de apenas 36 segundos, mais que eh rapidíssima, lembrando os tempos do Scott e Charlie no Stormtroopers Of Death, a letra diz apenas "Can't stop eating, she's so fat", ou seja, não pode parar de comer, ela é tão gorda.

    Toast To The Extras é uma das faixas mais agradáveis do álbum, um começo com uma bateria cativante, fazendo batidas dançantes, uma guitarra cadenciada, dando um aspecto de tranqüilidade e acredite, Charlie dando uns toques a mais na faixa com uma gaita (isso mesmo), no refrão a guitarra fica alta, mas sem mudar o clima da música, que continua descontraído, John Bush canta bem naturalmente, a faixa fala sobre se refugiar, esquecer os problemas, como dá pra interpretar em no refrão "I drink to them cause they don't talk too much".

    Acaba a faixa, e nela mesmo começa uma espécie de introdução para a Born Again Idiot, com uma seção de baixo e batidas na bateria muito boa. Born Again Idiot é com Dimebag de novo nas guitarras com Scott, essa uma das faixas mais "bate-cabeças" do álbum, com um riff arranhando sua cabeça, algumas paradinhas onde só fica a guitarra e John Bush mostrando toda a força de seu vocal, não fazendo você esquecer o refrão tão cedo, repetindo os gritos "Idiot Rulessss". A guitarra é incansável e o final é o mais destruidor, algumas viradas nos bumbos duplos e com uma guitarra solo massacrando rapidamente! A letra é uma espécie de revolta com a vida fútil e o governo.

    Agora uma melhores faixas do álbum, Killing Box, com a participação especial de Vinnie Paul na guitarra (é ele mesmo, baterista do Pantera!), e com o backing vocal de Phil Anselmo, a faixa é fudida, a faixa tem um riff muito bom, lógico que você ouve um riff meio ala Pantera. A faixa começa com uma bateria muito boa com bumbos duplos esmagando tudo, entrando para a quebração com a guitarra acelerando, a bateria moendo, e os gritos de John Bush e Phil Anselmo se alternando, essa é a melhor faixa da bateria de Charlie, a bateria dele está totalmente descontrolada, e alguns barulhinhos que Scott faz dão um charme para a faixa. A faixa é a mais extrema do álbum, e a letra fala de revolta e angústia.

    Depois da tempestade, vem a calmaria, e é assim com Harms Way, quem começa com um violão e a batera, mas com quase um minuto entra a guitarra e o baixo, mas não é com fúria, a música é mais uma balada, com uns toques a mais que dão um brilho a mais a faixa, como algumas paradas para dar destaque para o violão e a guitarra solo. A faixa é cheia de solos rápidos, e fica bastante agitada depois que a guitarra se fixa na faixa. No final da faixa você ouve alguém mastigando alguma coisa crocante e o outro rindo.

    Hog Tied é outra daquelas faixas cativantes, com Vinnie Paul fazendo guitarra com Scott novamente, e a batera fazendo batidas simples, mas cheia de variações e viradas criativas, linha de baixo definindo o peso e o vocal de John Bush te chamando para cantar junto o refrão "From On Top Of The World, I'll throw you down a hope", refrão de sair do chão, uma letra bastante motivadora a dar a volta por cima.

    Big Fat é outra com a participação de Paul, começa com um ritmo de Charlie no prato, para depois acompanhar as batidas, guitarra começa baixa e também vai aparecendo, até fazer o riff inicial, a faixa é excelente, os riffs da faixa são de bater a cabeça na parede de tanto pular e bater cabeça, é outra faixa para sair do chão, e John Bush de novo tomando conta da cena, esbanjando todo o carisma no refrão, a faixa no final ganha outra cara, com a mudança nas linhas de guitarra e bateria e fica ainda mais irresistível para se bater cabeça. A letra fala sobre o sentimento de superioridade que algumas pessoas têm.

    Cupajoe é outra faixa bem humorada do álbum, faixa também curta, de apenas 46 segundos, ela tem um riff fixo, onde John Bush canta normal, depois vai ficando acelerado, até parecer um louco ofuscado pela guitarra e os pratos da batera, a letra fala apenas "I really need a cup of coffee, go get me a cupajoe, cupajoe, black and strong", dando seqüencia para Alpha Male, que é uma das faixas onde John Bush mais canta gritado, mostrando a técnica de seu vocal, conseguindo por muito tempo cantar gritando sem parar.

    Para fechar o álbum, Stealing From A Thief, uma faixa muito boa, que também tem as paradinhas dando destaque para a bateria, ela demonstra uma ar meio dramático pelos vocais de John Bush, e um peso da guitarra com a cara do Pantera, a letra fala de luta para viver, por quem viver, onde vem a força para se manter na luta. A faixa fica dramática e rápida ao mesmo tempo, ganhando um ar de motivação, uma faixa surpreendente, de arrancar elogios, com um riff muito bom, e uma combinação perfeita de melodia, peso e velocidade na faixa, a faixa ainda tem uma parada, onde você pensa que acabou, mas volta com um riff e uma velocidade de quebrar pescoço, a criatividade é algo que temos que ressaltar no Anthrax!

    E é isso, um álbum subestimadíssimo até pelos que se dizem "fãs" de Anthrax (que para mim, não passam de viúvas do Belladona), um álbum excelente e que entra na fila dos injustiçados principalmente pela pouca divulgação que teve, e quem mais sofreu com isso foi o Anthrax, que é uma banda sinônima de superação, pois não sei como conseguiu sobreviver os anos 90, foi muito dificil esta época, hoje o Anthrax vive um segundo auge, com o lançamento do We've Come For You All, muito bem divulgado e elogiado pela critica, a regravação dos clássicos na voz de John Bush com o The Great Of Two Evils foi o momento em que o Anthrax estourou de vez no seu segundo auge, e hoje o Anthrax voltou com Joey Belladona lançando o Alive II, que sinceramente voltou na hora errada, uma jogada de marketing, o John Bush estava melhor do que nunca no Anthrax e é um dos melhores vocalistas já vistos no metal. O Anthrax é uma das bandas mais criativas no mundo e o Volume 8 é uma prova real disto, pode não ser a essência do Thrash Metal, pode ser que não seja o melhor do Anthrax, mas analisando como um álbum de metal, sem rotúlos, é um grande álbum. E espero futuramente fazer uma resenha de algum álbum da fase Belladona.

    Queria dedicar esta resenha ao Sam, que teve a santa paciência de rodar a galeria do rock inteira atrás deste álbum. Obrigado Sam e um abraço ;D

    Marcadores:

    posted by Dark at 9:13 PM

    6 Comments:

    Blogger bêr disse:

    Anthrax realmente é muito foda, se tratando de Metal, é uma das melhores bandas que existem, pisando no saco e cuspindo na cara de muita banda podreca super-estimada.

    O Scott Ian é um dos caras que sabem criar riffs sem soar manjado ou datado, mas ainda assim sempre mantendo o estilo. O Bush (o vocalista Jonh Bush, não o presidente dos EUA hohoho) canta pra caceta. E nossa... o fato de saber das participações "Pantéricas" no álbum me inspirou a procurar ele. Ou baixar coisas dele.

    Long live to Anthrax

    12:39 AM  
    Anonymous Sam disse:

    porra, anthrax é legal pra porra
    CAUGHT IN A MOSH! HEUAHE XD
    mas falando sério, a resenha tá foderosa cara, e anthrax são quase reis do thrash oitentista *-*
    e porra, eu ganhei uma homenagem @______@
    brigado dark
    amo-o ;@

    12:40 AM  
    Anonymous Conrado disse:

    Bom, eu conheço quase nada de Anthrax, e o quase nada que ouvi não gostei. :B
    Mas todo mundo fala bem da banda na fase antiga, então um dia eu pego alguma coisa pra ouvir, sei lá.

    12:41 AM  
    Anonymous Sepktr0 disse:

    cara.. eu fico bobo de ve o tanto que seis escreve aushuashua
    olha so o tamanho desse texto.. comecei ler, ae olhei a barra de rolagem e acabei desistino aeuhuhaushuas
    mas ta rox
    abraço ae dark =D

    12:41 AM  
    Anonymous eXis disse:

    kra Anthrax sempre e foda ... uma das melhores bandas do seu estilo!!
    maiss eu ainda prefiro o velho Belladona mais o John Bush e bom tb!! as muskas desse album sao otimas!! curto pra kramba!
    =D

    12:42 AM  
    Anonymous Jok disse:

    Hummmm... na época q eu ouvi anthrax pela primeira vez eu odiei... mas acho q vo tenta de novo XD vai q eu curto huauhauhauhauh
    abraço o/

    12:43 AM  

    Postar um comentário

    << Home

    _______________________________