colaboradores

BERNARDO
18 anos, RJ
+ info

NARA
16 anos, SP
+ info

LUDEN
15 anos, SP
+ info

SAM
16 anos, SP
+ info

VITOR
18 anos, RJ
+ info

LIZ
15 anos, RJ
+ info

NAT
17 anos, SP
+ info

GABO
16 anos, SP
+ info


Previous Posts

a r q u i v o s

  • Janeiro 2005
  • Fevereiro 2005
  • Março 2005
  • Abril 2005
  • Maio 2005
  • Junho 2005
  • Julho 2005
  • Setembro 2005
  • Outubro 2005
  • Novembro 2005
  • Dezembro 2005
  • Janeiro 2006
  • Fevereiro 2006
  • Março 2006
  • Abril 2006
  • Maio 2006
  • Junho 2006
  • Julho 2006
  • Agosto 2006
  • Setembro 2006
  • Outubro 2006
  • Novembro 2006
  • Dezembro 2006
  • Janeiro 2007
  • Fevereiro 2007
  • Março 2007
  • Abril 2007
  • Maio 2007
  • Junho 2007
  • Julho 2007
  • Agosto 2007
  • Setembro 2007
  • Outubro 2007
  • Novembro 2007
  • Dezembro 2007
  • Janeiro 2008
  • Fevereiro 2008
  • Março 2008
  • Abril 2008
  • Agosto 2008
  • Setembro 2008

  • L    i    n    k    s

  • Google News
  • Rock Town Downloads!
  • ~Daia.no.Sakura
  • Young Hotel Foxtrot
  • É Rock And Roll, Baby
  • Musecology
  • O Resenhista
  • Dangerous Music No Orkut

  • B    U    S    C    A


    L i n k    U s




    c r e d i t o s

    Powered by Blogger
    Design by Nara

    sábado, julho 28, 2007
    Junkiebox #4

    (Colaboraram: Nat, Bêr e Luden)

    Manic Street Preachers - Send Away The Tigers: Tudo indicava o fim da banda: lançamento de coletâneas, compilação de b-sides, e ainda projeto solo dos integrantes. Pois se enganou quem pensou que esse seria o fim. Após três anos de férias, o Manic Street Preachers se reúne para a gravação do oitavo disco da banda. E que disco! “Send Away The Tigers” reúne o melhor da banda: rock, refrões grudentos, letras politícas, e muita distorção. Além de tudo, uma das melhores canções do disco, “Your Love Is Not Enough”, tem a participação de Nina Gordon (The Cardigans). E, por enquanto, pode ser considerada uma das melhores (e mais grudentas) músicas do ano.
    Ouça: Your Love Is Not Enough

    Smashing Pumpkins - Zeitgeist: Com o fim da banda, anunciado em 2000, já não havia mais esperanças da volta, como houve com o Manic Street. Durante essa longa parada, Billy Corgan até chegou a montar outra banda e seguir carreira solo, mas nada que se compare ao Pumpkins. “Zeitgeist” aparece depois de 7 anos sem Smashing Pumpkins. Têm canções fortes, gritadas, guitarras pesadas, aquela pegada na bateria, e a voz inconfundível de Corgan. Um disco considerado político, com direito a Paris Hilton na capa do single “Tarantula”. No mínimo curioso, não? Não é o melhor disco do Smashing Pumpkins, mas é um bom disco para marcar o retorno de uma banda. Vale conferir as b-sides também, que são tão boas (ou até melhores) que algumas canções do disco.
    Ouça: Doomsday Clock

    The Shins - Wincing The Night Away: Sam (Natalie Portman) no filme “Hora de Voltar” (“Garden State”) disse: ”The Shins vai mudar a sua vida”. Se não mudou, é porque você ainda não ouviu esse terceiro disco da banda. “Wincing the Night Away” começou bem: estreou na segunda posição na lista semanal dos discos mais vendidos da Billboard, isso porque o álbum já havia vazado na internet em outubro do ano passado. Confesso que não me apaixonei pelos dois primeiros álbuns da banda. Mas esse álbum me fez rever alguns conceitos sobre os outros. Melodias agradáveis, violão na medida certa, canções simples e viciantes: um pop elegante que pode conquistar qualquer um.
    Ouça: Sea Legs

    Patti Smith – Twelve: Em se tratando de Patti Smith, pode ter certeza que é coisa boa e respeitável. Afinal, não é todo dia que uma mulher revoluciona o rock. Dessa vez, após 30 anos de carreira, Patti Smith faz belíssimas interpretações de algumas músicas que marcaram época. O disco começa com “Are You Experienced”, seguida por “Everybody Wants to Rule the World”, um cover bem parecido com o original, o que decepcionou quem esperava versões diferentes. O disco tem covers do Stones, Neil Young, Paul Simon, The Doors... e Nirvana! Em “Smells Like Teen Spirit”, Patti troca a guitarra distorcida de Kurt Cobain por um banjo. Yes! Um banjo... e ficou muito bacana por sinal. “Twelve” é um bom álbum. Corajoso da parte de Patti, já que muitos criticam como “ela está velha e não tem mais canções novas...”. Mas pra que se preocupar com isso? Patti Smith não deve provar mais nada a ninguém.
    Ouça: Smells Like Teen Spirit

    Wilco – Sky Blue Sky: Os bons ventos não pareciam soprar na face de Jeff Tweedy e cia. depois que o tecladista e guitarrista Jay Bennet - um dos principais responsáveis pela sonoridade da banda – abandonou o barco, fato este que deixou a banda em uma fase menos inspirada. E daí saiu o álbum menos experimental e menos country da banda. Sem se apegar tanto a Neil Young, o Wilco acabou soltando um trabalho extremamente pop e bastante sofrido, usando como referência principal os Beatles. Há um novo gás no Wilco, isso é fato. Mesmo tendo algumas das letras mais fortes já escritas por Jeff, os fantasmas do disco anterior parecem acalmar. Do primeiro segundo de “Either Way” ao último acorde de “On and On and On”, de rocks quase-nervosos feito “Shake It Off” e “Hate It Here” a baladas acústicas como “What Light”, o ouvinte encontrará um dos discos mais emocionais e acessíveis dos últimos anos.
    Ouça: Sky Blue Sky

    Paul McCartney – Memory Almost Full: Definitivamente não é todo dia que temos um lançamento novo de um grande astro e gênio do Rock. Paul McCartney é um dos únicos desses sobreviventes que lança mais álbuns de estúdio que discos ao vivo. E o mais impressionante: com uma qualidade mais inacreditável ainda! Portanto, “Memory Almost Full” é motivo de comemoração. Um dos mais inspirados da carreira solo de Paul, lançado oportunamente na semana em que “Sgt. Peppers” completa 40 anos. Paul passa pelo rock pesado e dançante de “Only Mama Knows”, baladas leves ou densas, soa meio psicodélico em “House Of Wax” e “You Tell Me”, meio anos cinqüenta na dobradinha “Vintage Clothes” e “That Was Me”, faz um pop perfeito à lá Beach Boys em “Feet In The Clouds”... É uma gama de canções assustadora. Rei que é rei nunca perde a majestade, e Paul soube envelhecer muito bem e fez um discaço dos bons, variado, cheio de boas idéias, sempre olhando para frente, um senhor de 65 anos fazendo músicas que soam totalmente século 21! Paul nem precisa mais provar que é gênio, mas faz questão... Obrigado por tantas lágrimas e sorrisos vertidos em música, Macca!
    Ouça: Feet In The Clouds

    White Stripes – Icky Thump: Para quem achava que depois de um disco menos inspirado (“Get Behind Me Satan”) e aventuras de Jack White na excelente banda paralela The Racounters, os White Stripes estavam com os dias contados: podem voltar a sorrir (ou perder as esperanças, no caso dos detratores).O duo de garagem mais incomum, nostálgico e moderno do pedaço volta em preto-e-branco, já impressionando o ouvinte desde a faixa-título que abre o álbum, cheia de momentos graves e reviravoltas distorcidas. O quarteto transpira pop, distorção, inventividade e simpatia a cada acorde disparado, daí nascem pérolas como as pedradas “Bone Broke” e “Little Cream Soda”, o agressivo e indignado pop “You Don’t Know What Love Is (You Just Do As You’re Told)”, os grooves suculentos que explodem em uma bordoada rápida em “Rag & Bone”, a balada pulsante “A Martyr For My Love For You” e a obra prima “Conquest”, um misto de rock pesado com música caribenha, solos de trompete e Jack se despinguelando no refrão. Um dos melhores discos do ano, sem dúvida alguma.
    Ouça: Conquest

    Tori Amos – American Doll Posse: A cantora-compositora Tori Amos desde o início dos anos 90 mantém uma respeitável carreira solo. Mas parece que a nova década não vinha fazendo bem para a cantora, pois fora o bom disco de covers “Strange Little Girls”, “Scarlet’s Walk” caminhava entre canções marcantes e outras facilmente esquecíveis, e “The Beekeper” era, em sua grande maioria, bastante apagado. Ainda bem que envelhecer consiste em aprender com os próprios erros. Pela grande quantidade de canções, “American Doll Posse” tem um problema parecido com o de “Scarlet’s Walk”, mas as variadas idéias musicais da cantora salvam o disco da onda de marasmo. O fácil apelo pop de “You Can Bring Your Dog”, o peso roqueiro contrastando com lindas melodias de piano de “Teenage Hustling”, as ensolaradas “Secret Spell”, a forçuda “Body and Soul” e a lindíssima “Beauty Of Speed” já são motivos para ouvir esse disco sem medo de decepção. Tudo bem que não é sempre que a paciência é suficiente para ouvir um disco de 23 músicas, mas versatilidade é o que não falta aqui.
    Ouça: Teenage Hustling

    Interpol - Our Love To Admire: Esse terceiro álbum do quarteto de Nova York não traz nada de novo. Não surpreende, mas também não deixa a desejar. "Our Love To Admire" não é melhor que o primeiro cd da banda, "Turn On The Bright Lights", mas supera o seu antecessor, "Antics". Álbum que não mostra rumo novo, mas mostra que estão longe de se tornar apáticos, um ótimo terceiro trabalho.
    Ouça: Rest My Chemistry

    Art Brut - It's a Bit Complicated: Se você quer um cd pra ouvir quando está feliz indo pra praia, indo pro parque bater uma bolinha com os amigos, "It's a Bit Complicated", do Art Brut é uma ótima pedida. Não supera a fanfarronice bem feita do album anterior "Bang Bang Rock and Roll" mas não deixa de ser bom pra ouvir e gritar as letras, mais faladas que cantadas.
    Ouça: Pump Up The Volume

    Elliott Smith - New Moon: Elliott Smith se matou em outubro de 2003. Se ainda estivesse vivo, muitas das músicas desse álbum poderiam estar em algum álbum novo que ele fizesse. O cd tem 24 músicas, e conta com uma versão de "Miss Misery" só com a voz e o violão. Ótimo cd pra sentir saudade de Elliott.
    Ouça: Angel In The Snow

    Superguidis - A Amarga Sinfonia do Superstar: Muitas horas ouvindo Pavement, pés ba bunda e cotidiano foram alicerces para definir o som do Superguidis, banda de Guaíba e de Porto Alegre ( o guitarrista Lucas Pocamacha é de Porta Alegre e os outros integrantes de Guaíba) lança seu segundo album pelo Senhor F com algumas músicas dos singles anteriores, como "Ainda Sem Nome" e "Riffs" (que é uma música bônus nesse cd) e inéditas. O álbum mantém o mesmo estilo do outro, com a mesma animação e letras engraçadas. Grande banda sulista, uma das melhores do nosso país hoje em dia.
    Ouça: A Exclamação

    Marcadores:

    posted by billy shears at 11:25 PM

    10 Comments:

    Blogger Gabo disse:

    Muito boas as resenhinhas. Juro que baixo todos e ouço atentamente.

    (OK, é mentira, mas vou baixar um ou dois.)

    2:36 AM  
    Blogger natália; disse:

    preciso ouvir o novo do paul ainda!

    superguidis é bom pra caramba, nem sabia que eles tinham lançado cd novo. preciso baixar esse também!

    3:00 PM  
    Anonymous isa disse:

    elliott e shins são os melhores!

    4:06 PM  
    Blogger cesar augusto giatti. disse:

    vou ouvir todos eles.

    4:08 PM  
    Blogger Elza disse:

    Estou aqui para parabenizar vcs pela indicação oa prêmio blog 5 estrelas!
    com tantas estrelas aqui vc merecem mesmo é um céu!
    =]

    6:20 PM  
    Blogger Uploader disse:

    Rola parceria?

    http://www.musicaluploader.blogspot.com/

    Abraço

    12:58 PM  
    Blogger Andy Priest disse:

    MANIC STREET PREACHERS É PARA OS FORTES (MÃO DE FOGO)

    12:58 AM  
    Blogger cesarfcalves disse:

    White Stripes? hummmm...
    depois eu ouvirei-o xD

    1:54 AM  
    Blogger Carmem Luisa disse:

    O que me surpreende são os White Stripes voltando depois do Get Behind Me Satan... Ainda não ouvi todas as novidades, mas já ouvirei!

    4:21 PM  
    Blogger Adora disse:

    eu só tiraria o White Stripes :X

    1:33 AM  

    Postar um comentário

    << Home

    _______________________________