colaboradores

BERNARDO
18 anos, RJ
+ info

NARA
16 anos, SP
+ info

LUDEN
15 anos, SP
+ info

SAM
16 anos, SP
+ info

VITOR
18 anos, RJ
+ info

LIZ
15 anos, RJ
+ info

NAT
17 anos, SP
+ info

GABO
16 anos, SP
+ info


Previous Posts

a r q u i v o s

  • Janeiro 2005
  • Fevereiro 2005
  • Março 2005
  • Abril 2005
  • Maio 2005
  • Junho 2005
  • Julho 2005
  • Setembro 2005
  • Outubro 2005
  • Novembro 2005
  • Dezembro 2005
  • Janeiro 2006
  • Fevereiro 2006
  • Março 2006
  • Abril 2006
  • Maio 2006
  • Junho 2006
  • Julho 2006
  • Agosto 2006
  • Setembro 2006
  • Outubro 2006
  • Novembro 2006
  • Dezembro 2006
  • Janeiro 2007
  • Fevereiro 2007
  • Março 2007
  • Abril 2007
  • Maio 2007
  • Junho 2007
  • Julho 2007
  • Agosto 2007
  • Setembro 2007
  • Outubro 2007
  • Novembro 2007
  • Dezembro 2007
  • Janeiro 2008
  • Fevereiro 2008
  • Março 2008
  • Abril 2008
  • Agosto 2008
  • Setembro 2008

  • L    i    n    k    s

  • Google News
  • Rock Town Downloads!
  • ~Daia.no.Sakura
  • Young Hotel Foxtrot
  • É Rock And Roll, Baby
  • Musecology
  • O Resenhista
  • Dangerous Music No Orkut

  • B    U    S    C    A


    L i n k    U s




    c r e d i t o s

    Powered by Blogger
    Design by Nara

    segunda-feira, janeiro 23, 2006
    Rolling Stones - A Bigger Bang

    Mick Jagger no vocal e harmônica, Keith Richards e Ron Wood nas guitarras e Charlie Watts na bateria.

    Essa é a coluna vertebral da maior banda de Rock de todos os tempos, e pilar principal do Rock And Roll, que o mantém lá nas alturas. São mais de 40 anos de Rock And Roll. Mesmo que você não goste do Rolling Stones, ou não os considere gênios, ou tampouco criativos. Mas só eles sabem tocar o ponto G da música, influenciando pelo menos quatro gerações subseqüentes ao surgimento da banda.

    Quase todos os ídolos caíram. Os Beatles se dissolveram, John Lennon foi lutar contra a paz e foi assassinado. Elvis, o Rei Do Rock, morreu no banheiro. Jimi Hendrix, Janis Joplin e Jim Morrison morreram vítimas de sua própria rebeldia e modo de vida. Ao passar das décadas, ídolos musicais de toda uma geração continuaram caindo por terra. John Bonham. Sid Vicious. Keith Moon. A maior parte do Lynyrd Skynyrd. Ian Curtis. Cliff Burton. Eric Carr. Kurt Cobain. George Harrison. Joey, Johnny e Dee Dee Ramone. Layne Staley. Apenas os Stones sobreviveram (exceto pela lenda Brian Jones - mas isso é assunto pra outro dia...), mesmo que nadando em um mar de sexo, drogas e rock and roll por 20 anos ou mais. Keith Richards é o que se pode chamar de indestrutível. Poucos dinossauros tiveram a mesma sorte de chegar até os dias atuais e poder falar algo tendo o cacife o suficiente. Black Sabbath, Deep Purple, Paul McCartney, Alice Cooper, Kiss e Aerosmith são alguns desses poucos sortudos.

    Os próprios Stones reconhecem que são uma das bandas mais importantes e fundamentais da história no título de seu disco. Daí o trocadilho com "A Bigger Band" e o "Big Bang", a explosão que originou tudo. A história do Rolling Stones se mistura com a própria história do Rock e eles não precisam de mais nada para provar isso. Sendo enqüanto idolatrados, quando subestimados ou considerados página virada, a banda sempre respondeu à altura. A história prova: "Their Satanic Majesties Request", "Beggar's Banquet", "Let It Bleed", "Tattoo You", "Some Girls" e o supremo e divino "Exile On Main Street" estão aí para todos ouvirem.

    "Rough Justice" já começa afirmando que Rolling Stones nunca foi uma banda tendenciosa às novas correntes musicais que surgem. É um rock vigoroso, com a influência declarada de Chuck Berry surgindo nos riffs e bases de Keith, e um vocal empolgado e vibrante por parte de Mick. Tente não sair dançando como se estivesse em um programa de auditório dos anos sessenta. "It's rough justice, oh yeah!/You're gonna have to trust me/It's rough justice/But you know I never break your heart". Isso é Rock And Roll!

    Diminuindo um pouco o ritmo, mas nem por isso "Let Me Down Slow" é menos vibrante, revigorante e com um novo frescor. Com um refrão melódico e apaixonado, embalado por belas guitarras, a música serve tanto para uma trilha sonora de uma festa ou de um casal apaixonado. Tente não cantar junto "I said baby, baby, let me down real slow" junto com Jagger. O que é bom nunca envelhece e a banda toca com o mesmo frescor de novidade que o seu som era há 40 anos atrás. Um belo solo de guitarra complementa a faixa, para logo Mick voltar a cantar o refrão, inspiradíssimo.

    "It Won't Take Long" começa com uma bateria vigorosa de Watts e guitarras encorpadas, e descamba para um refrão alto e guitarreiro, com Mick Jagger cantando à toda, sendo acompanhado pelas guitarras de Keith e Ron. A letra segue uma temática apaixonada típica do Rock And Roll, mas os Rolling Stones foram um dos criadores do Rock And Roll, eles tem o pleno direito de fazer isso. Como é bom ouvir um repertório novo dos Stones!

    Bastante balançada, essa é a funkeada "Rain Fall Down", com uma guitarra melódica-quase-aguda, com a cozinha de Charlie Watts e o baixista contratado Darryl Jones se destacando na faixa. Os vocais de Mick continuam brutalmente sexys e primais, mesmo esse cara cantando sem parar quase todos os dias em grande parte de sua vida. A letra é meio junkie, mas com o romântico e sexy refrão "And the rain fell down/And we made, we made, we made sweet love"... Perfeita!

    Então vem a balada "Streets Of Love", com emocionantes melodias de guitarra e o costumeiro e a inconfudível voz de Jagger. Sim... É uma balada previsível pra caramba, mas como eu já disse lá atrás, os Rolling Stones inventaram a maioria dos clichês do Rock And Roll. Eles tem autoridade para fazer o que quiserem. Tente não se emocionar com todo o sentimento do Mick cantando "Walked the streets of love/And they're full of tears". Um solo da categoria 'debulhador de lágrimas' é disparado. Tanto no Rock And Roll quanto no Rock-Balada, os Rolling Stones são mestres supremos. E eu arrisco dizer que "Streets Of Love" é uma das melhores baladas que eles já fizeram!

    "Back Of My Hand"... É um blues fresquinho, na veia. Estão lá as melodias delirantes de guitarras e harmônicas e um vocal encaixado perfeitamente, com Jagger cantando às pampas, sim senhor! Uma soundtrack perfeita para fazer um love, com ares da época de "Beggar's Banquet". Tem algo que esses caras façam que não é digno de nota?

    Guitarras belíssimas introduzem "She Saw Me Coming", que é uma das melhores faixas, com umas linhas vocais ora compenetradas e seguras, ora emocionadas, novamente contando sobre uma história de amor; Viciante, com Ron Wood debulhando mais um solo-Faces-like em sua slide guitar. Não só viciante, como deliciosa de se escutar.

    Trazendo o clima romântico e baladeiro de volta, tem-se "Biggest Mistake", com Jagger nitidamente empolgado ao cantar, sendo acompanhado pela marcação característica de Charlie Watts, e com as encorpadas guitarras de Keith e Ron sustentando a canção com belas melodias de base. A letra declara a perda de um grande amor e um tremendo arrependimento, com Mick emocionado "But I think I just made the biggest mistake of my life/And I think I just made the biggest mistake". Não chega a ser a música mais marcante do disco, mas com certeza não foi feita para tapar buraco!

    Iniciando a segunda metade do disco, vem mais uma balada, a mais inspirada "This Place Is Empty", em um clima meio country e com a voz rouca de Keith Richards que dá todo um charme à música, no refrão simples, grudento e debulhado "This place is empty/Oooh, so empty/So empty without you". Uma das que eu mais gostei!

    "Oh No, Not You Again" traz o rock de volta ao disco. Tudo característico dos Stones está lá: guitarras à-lá Chuck Berry, o vocal alto e pronunciado da boca mais famosa do Rock, e um arranjo que remete um pouco a época da música "Brown Sugar". Fala sério... Quem gosta de Rock And Roll vai sentir a alma pegando fogo nessa música. "Oh no, not you again/Fucking up my life/It was bad first time around/I better take my own advice!". Nota dez!

    "Dangerous Beauty" não deixa a peteca cair, um rock endiabrado total calcado no blues, onde nota-se grande empolgação de todos, mesmo após quatro décadas. O clima hedonista característico permeia a letra, e a canção ainda tem um solo de babar. Dá-lhe Stones!

    Quando o Rock parecia ter tomado conta do pedaço, vem a balada "Laugh, I Nearly Died", com Mick Jagger demonstrado que canta pra cacete, provando que só nos próximos 40 anos ele talvez perca a voz. E se ele morrer antes disso, vai ficar provado que ele cantou pacas até a morte.O instrumental é destacável, calmo, melódico e controlado, apesar da música parecer crescer em certas passagens.

    A balada anterior desemboca na polêmica "Sweet Neo Con", com Jagger mostrando um tom ácido de ironia na voz e atacando Bush na letra (embora a banda negue): "You call youserlf a Christian/I think that you're an hypocrite/You say you are a patriot/I think that you're a crock of shit". Uma delícia de se escutar, as melodias persistentes de guitarra lotando a canção e Jagger até engrossando a voz as vezes. A harmônica na canção também se faz bem presente, dando um clima sublime.

    O agito total volta em "Look What The Cat Dragged In", que abre em clima quase alarmante no riff para se transformar em uma delícia melódica e uma linha vocal empolgante. Charlie Watts está tocando a bateria nitidamente com mais força na música, na sarcástica letra em que tem um engraçado trecho: "You look like a fucker, Sargeant Pepper/Are you going to throw up all over my face?". Referência a uns quatro caras de Liverpool que "quase ninguém" conhece? Vai saber...

    "Driving Too Fast" inicia com menos velocidade, balançada e alegre, com discretos pianos e grandes bases de Keith e Ron. Novamente, não é um grande destaque do álbum, mas certamente tem seu espaço, por ser um rock and roll de clima sacana feito com vigor de quem já deveria ter perdido, mas que provavelmente tem a fórmula da criatividade e imortalidade em algum lugar. A-há, então é esse o tipo de bebida que a aeromoça pessoal do Richards faz e o guitarrista insiste em não contar pra ninguém! Meu Deus, o tanto de banda que precisa de uma gotinha dessa 'poção mágica', hein?

    Tio Keith, o indestrutível, imortal, que mesmo após ter abusado de tudo, ter tido uma coleção de overdoses, envolto em lendas de trocar o sangue e que até hoje continua com suas bebidas e tragadas, aparece para fechar o álbum em "Infamy", um rock suingado e grudento que fecha a epopéia do big bang com chave de ouro, e com Jagger com total disposição nos pulmões tocando um delicioso som de gaita. Richards e sua voz rouca, acompanhado de belas melodias, bem planejados bem backing vocals e uma forte bateria, compõe uma música simplesmente do cacete.

    Precisa dizer mais alguma coisa?
    Ah sim: Quem mora no Rio de Janeiro e não for no show, ou é muito trouxa, ou é muito surdo.

    Com vocês, A Bigger Band: The Rock And Rolling Stones!

    Marcadores:

    posted by billy shears at 1:24 PM

    9 Comments:

    Anonymous Paula disse:

    STONES! \o/
    Para mim a maior banda da atualidade e uma das melhores na ativa! Com 40 anos de rock'n'roll os caras continuam matando à pau!
    Dia 18 show na praia!Vai ser histórico! \o/

    5:15 PM  
    Anonymous AspergerBoy disse:

    "I can't get no satisfaction
    I can't get no satisfaction
    'Cause I try and I try and I try and I try
    I can't get no, I can't get no"

    9:06 PM  
    Anonymous sir augustinho disse:

    there's a storm is threatning
    my very life today
    if I don't get some shelter
    oh yeah, i'm gonna fade away

    essa eh a minha preferida e um dia eu vou trepar ouvindo essa musica HAAHUUHAA entao, comentando pra vc nao torrar, dps eu leio juro hUHAUHA

    2:05 AM  
    Anonymous Rafael disse:

    Eu deveria conhecer mais dos Stones.

    O que conheço deles, e do geral, me permite dizer que não concordo com a afirmação de que são a maior banda de rock de todos os tempos.

    Mas admito sim, que eles devem ser MUITO valorizados, até por que, geralmente só se dão valores gigantescos a quem já morreu. A necrofilia da arte. Se John Lennon estivesse vivo, duvido muito que ia ter toda essa gente aclamando o " guerreiro da paz ".

    E assim sucessivamente, Kurt Cobain, Frank Zappa, e derivados.

    ( Eu só espero que nenhum dos integrantes do Linkin Park morra tão cedo, imagina ter eles como ícone de uma geração? JESUS! )

    2:06 AM  
    Anonymous Veetu disse:

    Selecionei umas aí pra poder baixar, principalmente aquela que é boa pra fazer um love HAUIAHIAU Eu tou fazendo um Cd só com música feita pra trepar: Motel Hits HAUAHIUAH

    2:27 AM  
    Anonymous Davizinhu disse:

    stones......only stones.......rolling stones! ahuahuahuauhauhaa pra superar stones soh msmo led zeppelin! xD e eles vao vim aki pra copa \o/
    vamo estar lá com + umas 3 milhoes d pessoas! abraços!

    1:30 PM  
    Anonymous Raysa disse:

    Há! \o
    Bom, eu realmente nunca escutei esse disco, mas vindo dos Rolling Stones, deve ser bom. XD
    heoaheoa eu vou baixar. XD

    a resenha tá boa, é lógico, e... ahn... eu não vou poder ir no show u__u""

    vai e me fala como foi! =D haha

    taew, pode atualizar! XD~

    bjões =***

    1:32 PM  
    Anonymous Conrado disse:

    ah, eu não ouvi esse álbum ainda, mas ouvirei em breve. bom saber que eles continuam os mesmos, diferente de certas bandas.

    e dia 16 é nóis no show. *-*

    1:51 PM  
    Anonymous mariana disse:

    a ficha nunca vai cair.rolling stones, ao vivo. jagger eh o coroa mais sexy da face da terra, luciana gimenez eh uma falsa imbecil e eu posso morrer feliz.
    eles não morrem. se não morreram até agora não morrem mais não. o.o

    10:53 PM  

    Postar um comentário

    << Home

    _______________________________