colaboradores

BERNARDO
18 anos, RJ
+ info

NARA
16 anos, SP
+ info

LUDEN
15 anos, SP
+ info

SAM
16 anos, SP
+ info

VITOR
18 anos, RJ
+ info

LIZ
15 anos, RJ
+ info

NAT
17 anos, SP
+ info

GABO
16 anos, SP
+ info


Previous Posts

a r q u i v o s

  • Janeiro 2005
  • Fevereiro 2005
  • Março 2005
  • Abril 2005
  • Maio 2005
  • Junho 2005
  • Julho 2005
  • Setembro 2005
  • Outubro 2005
  • Novembro 2005
  • Dezembro 2005
  • Janeiro 2006
  • Fevereiro 2006
  • Março 2006
  • Abril 2006
  • Maio 2006
  • Junho 2006
  • Julho 2006
  • Agosto 2006
  • Setembro 2006
  • Outubro 2006
  • Novembro 2006
  • Dezembro 2006
  • Janeiro 2007
  • Fevereiro 2007
  • Março 2007
  • Abril 2007
  • Maio 2007
  • Junho 2007
  • Julho 2007
  • Agosto 2007
  • Setembro 2007
  • Outubro 2007
  • Novembro 2007
  • Dezembro 2007
  • Janeiro 2008
  • Fevereiro 2008
  • Março 2008
  • Abril 2008
  • Agosto 2008
  • Setembro 2008

  • L    i    n    k    s

  • Google News
  • Rock Town Downloads!
  • ~Daia.no.Sakura
  • Young Hotel Foxtrot
  • É Rock And Roll, Baby
  • Musecology
  • O Resenhista
  • Dangerous Music No Orkut

  • B    U    S    C    A


    L i n k    U s




    c r e d i t o s

    Powered by Blogger
    Design by Nara

    quarta-feira, abril 06, 2005
    Slayer-Reign In Blood



    Para quem é amante do bom metal, aí está um álbum essencial, é até meio impossível não se render de joelhos a ele. Uma banda no auge da sua criatividade detonando tudo. O Slayer foi um dos responsáveis pela criação e do desenvolvimento do Thrash Metal, a vertente do metal resultante do casamento entre o Heavy Metal e o Hardcore, ao lado do Metallica-"Show No Mercy" do Slayer e "Kill 'Em All" do Metallica diferiam de tudo feito na época, que estava em seu princípio de ser governada pelas bandas da New Wave Of British Heavy Metal e do Glam Rock.

    "Reign In Blood" é, do ínicio ao fim, um dos clássicos dos clássicos do Thrash Metal. Terceiro álbum da banda, é pauleira do princípio ao fim, é porrada atrás de porrada, sem descanso, com músicas praticamente emendadas uma à outra, um dos àlbuns mais rápidos para a época. O lirismo muitas vezes adotando temas abertamente satânicos (porém, difícil responder se era apenas abordagem ou apologia), e uma ou outra crítica. Tudo isso feito com brilhantismo pela formação Tom Araya no vocal e no baixo, a dupla de guitarristas Kerry King e Jeff Hanneman e Dave Lombardo na bateria.

    O álbum já começa desumano e violento, com "Angel Of Death", abrindo espancadoramente e de forma espetacular a barra que há de ser aguentada. Dave Lombardo toca em assustadora velocidade, as guitarras são violentas e Tom berra, berra e berra, provando ser uma das melhores vozes do Thrash Metal! "Angel Of Death" fala sobre o médico nazista Joseph Mengeli, que praticava operações bizarras em vítimas vivas, ou mortas, tudo isso descrita de forma agonizante pela banda. A força da letra e a violência da música são explícitas.

    "Piece By Piece" é a seguinte, com bateria sendo tocada sem piedade, a vítima são seus ouvidos. A banda novamente aborda uma temática violenta, com versos como "...a única maneira de sair dessa/é indo pedaço por pedaço" e "a sua cabeça está em minha parede". E, sem descansar, temos "Necrophobic", cantanda de forma absurdamente rápida por Tom Araya e detonada com velocidade mais que mortal pela banda, é brutal demais para tímpanos despreparados poderem suportar.

    "Altar Of Sacrifice" é outra música brutal e rápida, onde as guitarras soam cruéis, os vocais rasgados e a bateria socada sem parar, que logo abre espaço para a letra corrosiva de "Jesus Saves", uma feroz crítica a todas as religiões que pedem dinheiro sem nenhum pudor de vergonha. Sonoramente, é outra música magnífica, mostrando que o álbum inteiro é pedrada atrás de pedrada! Uma das faixas em que as guitarras mais soam pesadas. Pauleira intensa e insana.

    Aparentemente, com a introdução lenta de bateria de "Criminally Insane", parece que você vai poder sair vivo dessa. Não, não, a banda novamente vai rolando ladeira abaixo. Dave Lombardo bota pra ferrar aqui, soca a bateria com uma velocidade assustadora. Em certo ponto, a música diminui seu ritmo, e volta a ser rápida e destruidora. "Reborn" é outro petardo musical, em uma velocidade estonteante e assustadora. Que faixa magnífica! "Epidemic" não deixa a peteca cair, com sua letra desumana e som destruidor. Uma aula de se fazer música pesada, não deixa nem cinzas sobrarem.

    "Postmortem" começa quebrando tudo, também, um dos melhores desempenhos vocais de Tom no álbum. As guitarras estão cortantes, cruéis, com Kerry e Jeff demonstrando que não é de hoje que mantém sintonia de 100%. Dave Lombardo, não precisa nem citar. Esse cara é um monstro! Lá para o fim da música, Tom pergunta, "você quer morrer?".

    Isso que dá aceitar o desafio de ouvir esse álbum. Emendada a essa, temos a chuva de "Raining Blood", que parece ter sido planejada para ser a trilha sonora do Juízo Final. O Riff da música é foda demais e dispensa elogios, um dos melhores de toda a história do Thrash Metal. É impossível você ter chegado até aqui e não sentir êxtase em ouvir essa música. Ela impõe a verdade que, se você quer um álbum realmente perfeito da história do Metal, deve comprar o Reign In Blood de imediato.

    Uma nova edição vem com duas faixas bônus, a paulera inesquecível de "Agressive Perfector", primeira música gravada em estúdio pelo Slayer, que já havia aparecido no 'ao vivo em estúdio' "Live Undead". A segunda, é uma remixagem de "Criminally Insane", tocada de forma mais lenta, mas nem por isso menos pesada.

    Inenarrável o prazer e êxtase ouvindo esse álbum. Fica a critério de cada um como algo tão extremo pode ser clássico, mas aos apreciadores e conhecedores da vertente extrema do Metal, é indispensável. Reign In Blood é o primeiro da trinca de ouro do Slayer, seguido por "South Of Heaven" e "Seasons In The Abyss". A banda foi, e é de grande influência no Thrash, Death e Black Metal, álbuns como "Hell Awaits" e a trinca de ouro são os preferidos de muita gente. Enfim, não perca a oportunidade de quebrar o pescoço.

    Marcadores:

    posted by billy shears at 8:37 PM

    _______________________________