colaboradores

BERNARDO
18 anos, RJ
+ info

NARA
16 anos, SP
+ info

LUDEN
15 anos, SP
+ info

SAM
16 anos, SP
+ info

VITOR
18 anos, RJ
+ info

LIZ
15 anos, RJ
+ info

NAT
17 anos, SP
+ info

GABO
16 anos, SP
+ info


Previous Posts

a r q u i v o s

  • Janeiro 2005
  • Fevereiro 2005
  • Março 2005
  • Abril 2005
  • Maio 2005
  • Junho 2005
  • Julho 2005
  • Setembro 2005
  • Outubro 2005
  • Novembro 2005
  • Dezembro 2005
  • Janeiro 2006
  • Fevereiro 2006
  • Março 2006
  • Abril 2006
  • Maio 2006
  • Junho 2006
  • Julho 2006
  • Agosto 2006
  • Setembro 2006
  • Outubro 2006
  • Novembro 2006
  • Dezembro 2006
  • Janeiro 2007
  • Fevereiro 2007
  • Março 2007
  • Abril 2007
  • Maio 2007
  • Junho 2007
  • Julho 2007
  • Agosto 2007
  • Setembro 2007
  • Outubro 2007
  • Novembro 2007
  • Dezembro 2007
  • Janeiro 2008
  • Fevereiro 2008
  • Março 2008
  • Abril 2008
  • Agosto 2008
  • Setembro 2008

  • L    i    n    k    s

  • Google News
  • Rock Town Downloads!
  • ~Daia.no.Sakura
  • Young Hotel Foxtrot
  • É Rock And Roll, Baby
  • Musecology
  • O Resenhista
  • Dangerous Music No Orkut

  • B    U    S    C    A


    L i n k    U s




    c r e d i t o s

    Powered by Blogger
    Design by Nara

    quarta-feira, abril 13, 2005
    Pantera-Cowboys From Hell

    Para quem acha que o início dos anos 90 foram monopolizados pelo grunge, alguns álbuns dizem o contrário a isso. A maioria favoritada ao grunge é incontestável, mas discos como o pirado "Angel Dust" do Faith No More, o sempre lembrado "Fear Of The Dark" do Iron Maiden e o petardo "Cowboys From Hell" do Pantera deram uma bela levantada no que não era grunge. Fala-se aqui do último dos três exemplos.

    O Pantera, ex-banda de glam rock, ou "metal farofa", aparecia na mídia Rockeira cavando uma imagem suja e violenta, apresentando sonoridade e letras nada sutis. Contando com o monstro Phil Anselmo nos vocais, o estupendo guitarrista que agora já descansa em paz 'Dimebag' Darrel Abbot, a fera, digo, o irmão de Dime, Vinne Paul na bateria armando uma cozinha detonante com Rex Brown, baixista, o álbum tem um pouco da sonoridade herdada do seu anterior, "Power Metal", o primeiro com Anselmo nos vocais. Herança, que, aliás, seria esquecida com o passar do tempo, pois a partir daí o Pantera ficaria cada vez mais pesado, agressivo e insano.

    Ao álbum, sobram elogios, apesar de não ser fã ardoroso de algumas bem poucas canções do álbum. A faixa-título já entra quebrando tudo, impossível ouvir e não se lembrar do seu riff inicial. O solo também é algo memorável. Dimebag se mostra o guitarrista certo, muita banda não chegaria aonde quer nem com dez guitarristas, e o Pantera só precisou de um. O refrão de fácil memorização e que incita empolgação para berrá-lo junto com Phil e comparsas é outra razão para tornar a música um hino.

    O álbum continua quebrando tudo em várias faixas, como nos vocais incessantes da porrada "Primal Concrete Sledge", a insanidade do petardo "Psycho Holiday", e na magnífica "Cemetery Gates", que nasce lenta (com a voz limpa de Phil soando quase como a de Chris Cornell do Soundgarden), cresce repentinamente, e quando parece ficar lenta outra vez, pesa tudo. Podendo ser chamada a canção cadenciada do álbum, virou clássico para os headbangers. Outros destaques merecidos surgem em "Domination", com passagens mais metal, outras mais hardcore, "Clash With Reality", talvez a mais aproximada do Thrash tradicional ao lado de "Message In Blood".

    Na época, o álbum causou muito barulho, o que abriria portas para a banda ficar cada vez mais violenta no seu som e Phil ter envolvimento com substâncias ilícitas. A junção desses dois fatores foi crescendo cada vez mais, as letras ficando cada vez mais autobiográficas e hostis, e o som cada vez mais brutalmente inaudível (do jeito que um headbanger gosta), o que pareceu atingir seu ápice em The Great Southern Trendkill.

    Resumo da epopéia: Estréia fulminante para o grande público, o álbum faz a alegria de qualquer headbanger e é altamente recomendável. Metal destilado em homéricas doses de porradaria. Falando em poucas palavras: Clássico total, pérola metálica. Pantera Rocks!

    Marcadores:

    posted by billy shears at 1:57 PM

    _______________________________